quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

4º ENCONTRO ESTADUAL DOS EXTRATIVISTAS E DAS RESEX DA BAHIA

Filarmônica Lira Imaculada Conceição comemora seu aniversário homenageando a padroeira da Barra de Caravelas, Nossa Senhora da Imaculada Conceição.

 
A FILARMÔNICA LIRA IMACULADA CONCEIÇÃO - FLIC - é uma associação cultural sem fins lucrativos que existe desde 08/12/1936 na comunidade de Barra de Caravelas, Caravelas - BA, e tem por finalidade a difusão cultural da música; a promoção de atividades sociais, educacionais, culturais e desportivas; a elaboração e execução de projetos de desenvolvimento social sustentável, comprometidos com a promoção da cidadania da comunidade carente e a promoção da comunicação social comunitária (fotografia, mídias impressas, rádio, cinema, vídeo, televisão, internet).
Parabéns!!!!

MUSICA NA PRAÇA



 
O final de semana será marcado por uma intensa programação musical na Praça Ary Leite, em Barra de Caravelas (BA). Grupos da cidade apresentarão nesta sexta-feira (09) e sábado (10) um repertório de música popular que promete encantar a comunidade. O projeto Música na Praça é realizado pela Filarmônica Lira Imaculada Conceição (FLIC) e conta com o apoio da Fibria e do Instituto Votorantim. O evento acontece na Praça Ary Leite, a partir das 16h.
O Música na Praça tem como objetivo incentivar o público à apreciação artística, difundindo atividades de cunho artístico-cultural. Além disso, sua finalidade é divulgar a música popular brasileira, dando ênfase à música regional, além de oportunizar aos artistas locais a divulgação de seu trabalho
O evento faz parte do ProjetoNa Rota da Música”, uma realização da FLIC que conta com patrocínio do Instituto Votorantim e Fibria. A iniciativa tem como foco as atividades de formação com ênfase na manutenção e reparo de instrumentos musicais, cultura popular e formação artística.

 Confira a programação:

 Sexta-feira (09/12)
16h – Grupo de flautas
17h – FLIC
18h – Grupo de Violões
19h – Apresentação de imagens e vídeos sobre o Parque Marinho Abrolhos

Sábado (10/12)
16h - Big Zem
17 h – Pererê
18h - Denison Borges
19h – Preto Vibration


A senhora Raulina conhecida como dona Rolinha, falecida no mês de novembro é capa da edição 78 mês de Novembro no Jornal 'O Samburá"


‘Zambiapunga’ pode se tornar Patrimônio Imaterial da Bahia


 Até o final do primeiro semestre de 2017 o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC) finaliza o dossiê sobre a manifestação ‘Zambiapunga’, que ocorre no início de novembro no Baixo Sul baiano, em municípios como Cairu, Nilo Peçanha, Taperoá e Valença. O dossiê começou a ser elaborado no segundo semestre deste ano e fundamentará o pedido de registro especial da manifestação como Patrimônio Imaterial da Bahia. As pesquisas contaram com cooperação técnica do Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Baixo Sul (Ides).


“A tradição é marcada pelo uso de adereços alegóricos: trajes de roupas coloridas e papéis de seda”, explica o diretor de Preservação do IPAC, Roberto Pellegrino. Nos períodos de festejo, um grupo de homens utilizam búzios gigantes e enxadas tocadas como instrumentos de percussão. “Geralmente eles se espalhavam pelas ruas durante a madrugada, acordando a população em ritmo de celebração”, conta Pellegrino.
 
O primeiro passo do IPAC foi realizar pesquisa, com visitas de campo, entrevistas, coleta de documentos, fotos e jornais antigos, dentre outros itens. “Agora elaboramos o dossiê. Uma parte já está pronta e a outra finalizamos no primeiro semestre de 2017”, afirma a antropóloga do IPAC, Adriana Cerqueira, responsável pela redação do documento. Depois, o dossiê segue para a Secretaria de Cultura e o Conselho de Cultura (CEC, www.conselhodecultura.ba.gov.br). Após aprovação, é apresentado ao governador, que faz análise final e assina decreto tornando a manifestação protegida pelo Estado da Bahia.

COMUNIDADES O 'Zambiapunga' está presente nos municípios de Nilo Peçanha, Valença, Taperoá, Cairú e nas localidades de Galeão, Caraíba e Boipeba. Para conhecer de perto, equipe multidisciplinar do órgão esteve nas comunidades de Cajaíba, Atracadouro e Bom Jardim, em Valença. Técnicos do Ides também estavam presentes, coordenados por Liliana Leite. Do IPAC participaram o diretor de Preservação, Roberto Pellegrino, a gerente de Patrimônio Imaterial, Nívea Alves, e a antropóloga Adriana Cerqueira. “Existem também os caretas inseridos no contexto do Zambiapunga. A proteção será para o conjunto dessas manifestações”, explica Adriana.

Considera-se que a palavra Zambiapunga vem de Zambiapombo, Nzambi Mpungu, Zambi e Nzambi, originárias dos povos Bantu de onde veio também a tradição do candomblé da nação angola na Bahia. Esses entes sacros seriam correlatos ao deus Olorum do candomblé Ketu, e é sincretizado no catolicismo ao Senhor do Bonfim. Os bantus são originários de Angola e Congo, na África. Se aprovada no CEC, o Zambiapunga será inscrito no Livro de Expressões Lúdicas e Artísticas da Bahia.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

MÚSICA NA PRAÇA



O evento Música na Praça tem como objetivo incentivar o público à apreciação artística, difundindo atividades de cunho artístico-cultural ao público. Bem como divulgar a música  popular brasileira, dando ênfase à música regional, além de oportunizar os artistas locais a divulgação de seu trabalho.

Já comeceram as novenas preparatórias para a festa da Imaculada Conceiçao 2016 da Barra de Caravelas